quinta-feira, 23 de julho de 2009

Os revivalismos de Strindberg ou o reconhecimento da dor...

Amor eterno, dizias. Amor eterno.
Amor eterno, digo. Se bem que curto.

2 comentários:

LiLu disse...

Sim, curto bem curto. E pingado. Como um cafezinho.

Cheila Saldanha disse...

Eterno é muito tempo...